quarta-feira, 15 de abril de 2015

Literatura Portuguesa - Parte 15.


HISTÓRIA DA LITERATURA MUNDIAL
LITERATURA PORTUGUESA – PARTE 15

Além dos trabalhos no campo histórico que mencionamos na parte anterior, apareceram em Portugal, nos séculos XIV e XV, trabalhos de outras categorias. Assim, por exemplo, D. João I escreveu um livro a respeito da arte de cavalgar (o Livro da Montaria), D. Duarte nos brindou com um livro de conselhos e observações pessoais de fundo psicológico, uma miscelânea a respeito de vários assuntos (o Leal Conselheiro), Frei João Álvares traduziu a Imitação de Cristo (de Tomás Kempis), Frei André Dias escreveu as Laudes e Cantigas Espirituais etc. 
 
E, com isso, chegamos ao século XVI, um século de excepcional brilho para as letras lusitanas, época do quinhentismo.

B – O quinhentismo 
 
Quinhentismo é o nome que se dá a uma época da história da cultura (e, em particular, da literatura) que se estende de 1500 em diante, até o fim do século. É a época do renascimento, das grandes descobertas marítimas, da ascensão das burguesias nacionais em toda Europa Ocidental, do aperfeiçoamento da imprensa etc. 
 
No quinhentismo literário português, três nomes devem ser citados: Gil Vicente, especialmente no teatro, Luís de Camões, especialmente na poesia épica e Sá de Miranda, em vários campos.

A respeito de Gil Vicente, também são conhecidos dados biográficos precisos. Acredita-se que ele tenha nascido em 1460 e falecido em 1540, mas não se sabe ao certo. Por outro lado, sabe-se com certeza que Gil Vicente era um homem da corte, onde ganhava o seu sustento organizando festas palacianas e explorando o seu inegável talento literário. Também se sabe que a sua iniciação como autor teatral, campo literário em que mais se destacou, deu-se em 1502, quando compôs sua primeira peça, o Auto do Vaqueiro, que recitou, em espanhol (a rainha era espanhola), na corte.
 
Obs: Com relação as informações históricas e geográficas contidas neste post, favor considerar a época da edição do livro/fonte.
 
Fonte: “Os Forjadores do Mundo Moderno”, Editora Fulgor, edição 1968, volume 7. 
 Visite também:
Clicando aqui:

6 comentários:

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Oi Rosemildo,adorei saber um pouco mais sobre a Literatura Brasileira.
São dessas informações que precisamos.
bjs-Carmen Lúcia

Elvira Carvalho disse...

De Gil Vicente acabámos de analisar o "Auto da Índia" em literatura, na Universidade Sénior que frequento.
Um abraço

Maria Teresa Valente disse...

Boa noite Furtado, conhecendo a história da Literatura Portuguesa, vamos entendendo um pouco de nossa história literária, que muito nos influenciou. Agradeço por partilhar, abraços carinhosos
Maria Teresa

Lina-solopoesie disse...

Caro Futado.
Grazie a te che fai questi post dedicati alla letteratura portoghese , che mi sto facendo una bella cultura . Storie che prima non conoscevo affatto. Continua così , senz'altro ci saranno ancora molti capitoli che non finiscono mai . Ciao Lina .

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Pois a época de quinhentos foi realmente muito produtiva para as terras lusitanas.
Um belo trabalho.
Um abraço.
Uma boa semana.

CÉU disse...

Olá, Rosemildo!

Esse post não tem muito pra comentar, a menos que eu me transcreva passagens do seu escrito, mas isso, em minha opinião, não tem nenhum interesse e só serve, em minha opinião, para encher comentário.

Voltando ainda ao cronista-mor, Fernão Lopes, esse sim, escreveu muitas crónicas, diferentes e "esquisitas" até para a época, porque falava sempre do povo e burguesia e/ou, em seu nome dele, embora, depois, na prática, as coisas não fossem bem assim.

Como estávamos em pleno século XV, D. João I e alguns dos seus filhos escreveram obras, bem interessantes de ler, embora nos possam parecer, atualmente, antiquadas. É natural, pke o mundo é feito de avanços e de remodelações.

Gil Vicente foi um escritor fora de série, e esse sim, criticou duramente a sociedade de seu tempo, através dos autos e das peças de teatro.

Qto ao período quinhentista, finais de século XV, e todo o XVI, foi uma época riquíssima culturalmente, e não só.
Vasco da Gama e com a ajuda de seu irmão, Paulo da Gama, descobriu o caminho marítimo para a Índia em 1498, trazendo para o reino português muitas riqueza, e de toda a ordem. Dois anos mais tarde, um outro português, natural de Belmonte, descobriu o Brasil, mas pensando k tinha chegado a uma ilha, pke viu indígenas cobrindo suas partes íntimas com folhas, e k não cheiravam nada bem, lhe chamou de Vera Cruz, nome esse k, depois, foi mudado, devido a terem encontrado por lá uma madeira chamada pau brasil.

Cristóvão Colombo, e contrariamente ao que alguns dizem, NUNCA, avistou, sequer, o Brasil. D. João II, e aquando do tratado de Tordesilhas, em 1494, pediu mais léguas ao rei espanhol, pensando já que para ocidente existiriam decerto terras, o k, de facto, veio a verificar-se.

Não sei se você vai ou não falar desses assuntos, mas, de qualquer jeito, a "acha" está lançada pra "fogueira literária".

Dias felizes!

Aquele abraço.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...