quarta-feira, 2 de maio de 2018

Grandes vultos: José do Patrocínio - Parte 03.

GRANDES VULTOS BRASILEIROS QUE MARCARAM A HISTÓRIA NAS SUAS MAIS DIVERSAS ATIVIDADES
JOSÉ CARLOS DO PATROCÍNIO – PARTE 03.
Quebradas as resistências, num belo dia, o padrinho Ferreira de Araújo dirigiu-se à Chácara de S. Cristóvão com a missão de oficializar o namoro, oculto até então. O casamento não tardou e a data ficou marcada por um incidente ocasionado pelo incorrigível Paula Nei que, incumbido de levar as chaves de um sobradinho novo, onde os nubentes iriam passar a lua de mel, esqueceu-as, causando enorme transtorno aos recém casados, à vista dos convivas. O jovem par foi obrigado a voltar para a chácara, onde um quarto improvisado, nos fundos, lhe serviu para aquela primeira noite de núpcias. O fato não deixou de ser observado pelo Capitão:
– Eu não dizia! Este meu genro começa mal...”
De seu casamento com Bibi, nasceram duas meninas, Marieta e Maina e três rapazes, Tinon, Maceu e Zeca. Os primeiros mortos ainda na infância. Apenas o Zeca – José do Patrocínio Filho – sobressaiu como homem de talento, porém, estrina e dispersivo, não logrou perpetuar sua memória a não ser por uma fantasia megalomaníaca com a espiã Mata-Hari que, se não fosse a diplomacia brasileira, tê-lo-ia conduzido ao cadafalso em Londres.
A campanha abolicionista, a maior glória de José do Patrocínio, começou, realmente, quando o mesmo, a 3 de agosto de 1880, pela vez primeira, no recinto do Teatro S. Luís empolgou a multidão que o lotava com sua oratória emotiva e dramática, arrancando aplausos e lágrimas da plateia comovida. Repete-a a 15 e 22 do mesmo mês com idênticas características que, mais tarde, a tornaram distinta das demais pelo seu cunho de agitação de massas, capaz de demover montanhas e arrastar consigo os corações de pedra que se deixavam convencer pelos falsos argumentos escravagistas de que a escravidão era uma necessidade econômica insubstituível e sua extinção traria, como consequência, a ruína social completa e imediato enfraquecimento da Pátria. Para Patrocínio “a escrevidão era um roubo”, frase que se tornou, mais tarde, o slogan do “Clube Abolicionista”.
Continua…
S. SILVA BARRETO
Visite também:
Clicando aqui:

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...