quarta-feira, 21 de junho de 2017

Grandes vultos: Floriano Peixoto - Parte 02.

Guerra do Paraguai
 


GRANDES VULTOS BRASILEIROS QUE MARCARAM A HISTÓRIA NAS SUAS MAIS DIVERSAS ATIVIDADES
FLORIANO PEIXOTO – PARTE 02.
Em 1865 vai para Bagé, Rio Grande do Sul, já como 1º tenente. Bate-se com extremo denodo em toda a guerra do Paraguai, de onde volta, a 26 de setembro de 1870, recém promovido a tenente-coronel. Suas grandes ações bélicas, praticou-as como capitão e major. Os amigos jamais o promoveram além de major. Mesmo quando marechal, designavam-no os florianistas por “Major”.
Lutou bravissimamente em Tuiuti, Santo Antônio, Itororó, Avaí, Lomas Valentinas, etc. Sempre nos postos de maior perigo. E sempre modesto. De poucas palavras. Agia; não se remexendo agitando-se, discursando, posando de valente. Porque era valente. No fim da guerra, ele que partia vigoroso, atlético, um feixe de músculos, sente-se combalido. Ainda assim requer matrícula na Escola Central e termina o curso de engenheiro militar. Faleceu na fazenda do Paraíso – uma sombra, quase pele e osso – a 29 de junho de 1896. essa fazenda ficava em Divisa, município de Barra Mansa.
Impossível, numa biografia sucinta como esta, tentar explicar os motivos que levaram Floriano, no dia 15 de novembro de 1889, a ficar ao lado de Deodoro, permitindo, assim, a implantação pacífica da República em nossa terra. Sem dúvida alguma ele admirava, amava o Imperador. Jamais proferiu ou permitiu que diante dele se proferisse uma palavra contra D. Pedro II. Mas uma coisa era a pessoa de D. Pedro II e outra a Monarquia, absolutamente inoperante, paralítica, ausente, alheia aos grandes problemas nacionais. Distanciara-se do povo. Perdera, mesmo, o controle administrativo da nação. Ia ser entregue, por morte de D. Pedro, à Princesa Isabel, senhora bondosa, mas uma espécie de freira leiga, dominada pelo marido – sujeito que todos detestavam. Não digo que fosse detestável. Digo que todos o detestavam, e isso não admite sequer discussão.
Continua
GONDIN DA FONSECA
Visite também:
Clicando aqui:

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Grandes vultos: Floriano Peixoto -- Parte 01.




GRANDES VULTOS BRASILEIROS QUE MARCARAM A HISTÓRIA NAS SUAS MAIS DIVERSAS ATIVIDADES
FLORIANO PEIXOTO – PARTE 01.
Floriano Peixoto nasceu em 1849 no engenho “Riacho Grande”, na vila de Ipioca (Santo Antônio de Beirim de Ipioca), em Alagoas. Foram seus pais Manoel Vieira de Araújo Peixoto, fazendeiro, e Ana Joaquina de Albuquerque Peixoto. Tiveram, por ordem, os seguintes filhos: Maria do Carmo, Catarina, Alexandre, Francisco, Floriano, José, Ildefonso, João, Cecília e Luís. Floriano foi criado pelo irmão mais velho de seu pai, Coronel José Vieira de Araújo Peixoto, casado e sem filhos. Levou-o com poucos dias de nascido (por estar a mãe doente, impossibilitada de o amamentar) e manteve-o consigo, afeiçoando-se-lhe como pai.
Terminado o curso primário em Maceió, estudou Floriano várias matérias do curso secundário e, aos 16 anos, fê-lo seu tio embarcar para o Rio de Janeiro, onde o matriculou no Episcopal Colégio São Pedro de Alcântara. Daí saiu em 1857, para sentar praça e jurar bandeira no Primeiro Batalhão de Artilharia a pé. A 12 de fevereiro de 1858, uma ordem do dia do Quartel General autoriza o aluno Floriano Vieira Peixoto a usar as estrelas de primeiro cadete. Ei-lo matriculado, em 1861, na Escola Militar. Era de compleição atlética. Destemido. Ágil. E calmo. Topava brigas, se provocado. Uma o levou nesse mesmo ano à fortaleza da Lage, onde cumpriu seis dias de prisão. Foi o caso que um veterano o desfeiteou com palavras dentro da Escola. Uma vez. Duas vezes. Três vezes. Quatro vezes. Encontrando-o na rua, Floriano correu para ele e postou-se-lhe em frente.
– Que é que há, calouro? Retire-se ou dou-lhe uma surra.
– Não prometa: dê.
O rapaz ergueu a mão e, sem saber como, viu-se logo estatelado em terra.
– Erga-se para continuar a apanhar – ordenou Floriano.
Esmigalhou-o.
Dai por diante deixaram-no quieto na Escola. A 9 de agosto de 1861 passa ao posto de cabo, a 29 de outubro ao de 2º sargento, e a 2 de dezembro, aniversário do Imperador, promovem-no a 2º tenente do 3º Batalhão de Artilharia da Corte.
Continua
GONDIN DA FONSECA
Visite também:
Clicando aqui: 
 

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Grandes vultos: Castro Alves - Parte 06.





GRANDES VULTOS BRASILEIROS QUE MARCARAM A HISTÓRIA NAS SUAS MAIS DIVERSAS ATIVIDADES
CASTRO ALVES – PARTE 06.
Castro Alves, quase um século depois de sua morte, é ainda o maior poeta social do Brasil e um de seus grandes líricos. Sua obra – morreu muito moço, com 24 anos – é por vezes imatura, mas sua imaginação, sua força verbal, seu colorido, dão-lhe posição de relevo em nossa poesia. Muitas de suas aspirações, como a libertação dos escravos, a proclamação da República, a difusão do ensino – estão hoje realizadas; outras são ainda um horizonte inatingido, como o domínio da fraternidade e da paz universal.
Filhos do novo Mundo! Ergamos nós um grito
Que abafe dos canhões o horríssono rugir,
Em frente do oceano! Em frente do infinito!
Em nome do progresso! Em nome do porvir!
Não deixemos, Hebreus, que a destruição dos tiranos
Manche a Arca ideal das nossas ilusões.
A herança de suor vertido em dois mil anos
Há de intacta chegar às novas gerações!
Nós, que somos a raça eleita do futuro,
O filho que o Senhor amou qual Benjamim,
Que faremos de nós… se é tudo falso, impuro,
Se é mentira – o progresso! E o erro não tem fim?
Não! Clamemos bem alto à Europa, ao globo inteiro
Gritemos – Liberdade – em face da opressão!
Ao tirano dizei: – Tu és um carniceiro!
És o crime de bronze! – escreva no canhão!
Falemos de justiça – em frente a mortandade
Falemos do direito – ao gládio que reluz!
Se eles dizem – rancor, dizei – fraternidade!
Se erguem a meia-lua, ergamos nós a cruz!
Um dos formadores da nacionalidade, na configuração atual de suas instituições político-sociais; voz poderosa numa geração de brilhantes literatos, tribunos e juristas, eis como a pregação de Castro Alves transcende de seu tempo e de seu meio, para tornar-se atual e resplendecer como um facho diante da consciência do mundo que não pode conflagrar-se – mas ainda fala em guerra, atávica ou sonambulicamente.
PÉRICLES EUGÊNIO DA SILVA RAMOS
Visite também:
Clicando aqui:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...