segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Literatura Portuguesa - Parte 08.


HISTÓRIA DA LITERATURA MUNDIAL
LITERATURA PORTUGUESA – PARTE 8

Afonso VII não reagiu à afronta, e a paz entre os dois primos reinou até 1135, ano em que o Infante Afonso Henriques voltou a invadir a Galícia. Mas, desta vez, as coisas não ocorreram como dantes, e as forças “portuguesas” foram quase totalmente destroçadas pelos exércitos de Afonso VII. Todavia, novamente sem que se tenha uma explicação satisfatória para esse comportamento, Afonso VII não se preocupou em perseguir as tropas invasoras que se retiravam derrotadas, nem em punir o seu primo pela audácia que tivera em invadir terras do seu império. Errou Afonso VII, e o futuro se encarregou de mostrar isso. De fato, nem bem dois anos haviam passado e Afonso Henriques invade novamente a Galícia e desbarata as forças locais na célebre Batalha de Cerneja. A sorte parecia sorrir para o infante “português” e os seus aliados de Navarra e Aragão, quando as fronteiras do sul foram invadidas pelos sarracenos. Ao mesmo tempo, chegavam notícias de que Afonso VII marchava contra ele à frente de um poderoso exército, depois de ter derrotado as forças navarro-aragonesas. Metido entre dois fogos, Afonso Henriques foi obrigado a pedir paz ao seu primo, o imperador, jurando-lhe vassalagem. 
 
Conseguida a paz, o inquieto infante voltou suas armas para o Sul, contra os sarracenos, onde em 25 de julho de 1139, vence a célebre Batalha de Ourique, que, mesmo reduzida às suas devidas proporções, é considerada pela maioria dos historiadores como “a pedra angular da monarquia portuguesa.” (Alexandre Herculano, História de Portugal.) Nessa batalha, os soldados, entusiasmados com a vitória conseguida contra os muçulmanos, aclamaram rei a Afonso Henriques, que, a partir daí, passou a usar esse título nos decretos e proclamações.

Animado por essa vitória e disposto a se vingar da humilhação de 1137, Afonso Henriques (Afonso I de Portugal) invadiu novamente o território da Galícia no ano seguinte. Abandonando a frente aragonesa, o imperador marchou com suas tropas para opor-se às forças portuguesas”. Os dois exércitos defrontaram-se em Valdevez (1140), onde Afonso VII foi batido, não numa baralha campal propriamente dita, mas num torneio, como comum da Idade Média, época em que as guerras e as batalhas nem sempre “eram para valer.” Agora foi a vez do imperador pedir a paz, que foi conseguida mediante um armistício que deveria durar até a assinatura de um tratado de paz definitivo. Esse tratado foi finalmente assinado em Zamorra, em 1143, ocasião em que o imperador reconheceu a independência de Portugal e o título de rei assumido pelo seu primo Afonso Henriques. Estava oficialmente estabelecida a nacionalidade portuguesa. 
 
Obs: Com relação as informações históricas e geográficas contidas neste post, favor ver a data da edição do livro. 
 
Fonte: “Os Forjadores do Mundo Moderno”, Editora Fulgor, edição 1968, volume 7.

Queridos amigos!

Eis que mais uma vez, depois de um breve período de descanso, retornamos, eu e nossos dois espaços, o Arte & Emoções e o Literatura & Companhia Ilimitada, ao prazeroso convívio de todos vocês, razão maior e fomento da nossa permanência neste mundo maravilhoso.

Agradecemos de coração pelas valiosas atenção e compreensão, na esperança de poder continuar sendo merecedores desse apoio que somente nos fortalece.

Muito obrigado e beijos do coração de todos!

“Que DEUS seja louvado!” 

Rosemildo Sales Furtado


Visite também:
 

6 comentários:

CÉU disse...

Estive lendo as oito partes da História de Portugal, minha Pátria. Tenho formação académica superior nessa área, e portanto, me deleitei.
Bem, você apresentou Portugal, ainda não se chamava assim, geograficamente, tal como os primeiros povos que cá apareceram.
Agora, nesse capítulo, as lutas entre Afonso VII e seu primo, Afonso Henrique, o tratado de Zamora, reconhecimento de Afonso Henriques como rei e a independência de Portugal, tal como o reconhecimento da sua nacionalidade.

E que a História continue!

Linda semana.

Maria Teresa Valente disse...

Fico muito feliz Furtado, com a sua divulgação da nossa história, estou aprendendo aqui com você, a quem agradeço pela partilha, abraços carinhosos
Maria Teresa

Valdete Cantu disse...

Olá amigo!
Obrigada pela carinhosa visita ao meu blog.
Que a sua quinta feira seja iluminada,
cheia de saúde,paz e sucesso.
Abraço.
Valdete.

Daniel Costa disse...

Caro Rosemildo, realmente, foi o tratado de Zamora, que consagrou Portugal, definitivamente, como reino independente.
abraços

CÉU disse...

Olá, amigo Rosemildo!

Tudo bem?
Agradeço sua visita e inteligente comentário.

Esqueci de referir uma coisinha aqui, e que é: diz-se, conta a História, que D. Afonso Henriques venceu a batalha travada em Ourique, por intervenção divina, acho que ele viu algo no céu, mas como a História não foi, nem é, nem será, uma ciência exata, ficamos, "acreditando".

Bom fim de semana.

Tudo de bom para você!

Cia. De Teatro Atemporal disse...

Belo trabalho, Rosemildo!

Esta Saga está muito bacana!

Receba um abraço bem espremido da Cia. De Teatro Atemporal!

Clemente.

http://ciaatemporal.blogspot.com.br/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...