quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Literatura portuguesa - Parte 04.

HISTÓRIA DA LITERATURA MUNDIAL
LITERATURA PORTUGUESA – PARTE 4

Mas o crescimento do poderio econômico e militar de Cartago, muito aumentado com a conquista da Península Ibérica, não poderia nunca ser visto com bons olhos pelos romanos. Nessas condições, logo estalou a guerra entre os dois gigantes do Mediterrâneo. No início, a sorte das armas foi favorável a Cartago, que chegou a invadir a “Itália” por terra, a partir da Península Ibérica. É de se notar que as crônicas revelam que uma boa parte do exército cartaginês era composta de tropas “espanholas” e “portuguesas”, o que mostra bem a rápida assimilação dos povos da península pelo invasor cartaginês, sem dúvida muito facilitada pela mestiçagem fenícia já ali existente. Apesar dos seus esforços, contudo, Cartago acabou sendo derrotada e destruída completamente pelos romanos. Então a península passou para o domínio de Roma. Mas não sem alguma resistência local. Especialmente nos territórios que hoje pertencem a Portugal, a resistência contra o invasor romano foi tenaz, dirigida pelo lendário Viriato. Tenaz, mas inútil porque, salvo o episódio de Sila e de Sertório, o domínio romano na Península Ibérica permaneceu inconteste até a derrubada do Império pelas invasões bárbaras, isso já no século V da nossa era. Os bárbaros foram numerosos: primeiramente os vândalos, os alanos e os suevos, e logo mais os visigodos, que iriam dominar a península por três séculos, até a invasão árabe. 
 
Animados pelas conquistas que haviam feito em pouco menos de 100 anos desde que Maomé começara a pregar a nova religião de Alá, e também pelas lutas intestinas que grassavam no Império Visigótico, os muçulmanos se propuseram a invadir a Europa pela Península Ibérica, para levar a Guerra Santa a outros povos e a outras nações. E, de fato, depois de se apossarem dos territórios visigóticos do norte da África – Ceuta, a antiga Septum dos romanos – os sarracenos, chefiados por um capitão mouro de nome Tarique, transpuseram o Estreito de Gibraltar e invadiram a Península Ibérica em nome do Califa de Damasco. Aliás, a denominação Gibraltar (Gebel Tarique) deriva exatamente do nome desse general mourisco.

O último rei visigótico da península – Rodrigo – tentou se opor à invasão árabe, mas o seu exército foi completamente destroçado na Batalha de Guadelete, cessando a partir daí qualquer resistência organizada contra o invasor muçulmano, exceto em algumas pequenas regiões montanhosas do norte da península, para onde se retiraram alguns capitães visigóticos – Pelágio, em especial – com suas forças, fundando as chamadas primeiras monarquias cristãs da Espanha: Oviedo e Leão.

Com a queda do Império Visigótico, começou a administração muçulmana da península, primeiramente sob a forma de um emirado subordinado ao Califa de Damasco e, mais tarde, como um reino separado: o Califado do Ocidente, com sede em Córdoba. Quase oito séculos durou o domínio muçulmano na península: desde o início do século VIII da nossa era, até 1492, quando Granada, o último baluarte mouro na Espanha, caiu em poder dos exércitos cristãos de Fernando e de Isabel. Todavia, esse domínio nunca foi inteiramente pacífico porque as regiões montanhosas do norte da península nunca foram completamente subjugadas, nem mesmo por ocasião do maior avanço muçulmano na Europa, quando as suas tropas atravessaram os Pirineus e se apossaram de boa parte da atual França. 
 
Obs: Com relação as informações históricas e geográficas contidas neste post, favor considerar a época da edição do livro/fonte. 
 
Fonte: “Os Forjadores do Mundo Moderno”, Editora Fulgor, edição 1968, volume 7. 

Visite também: 
Clicando aqui:

3 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Muito bom. Gosto de vir aqui. Pena que haja poucos comentários.
Abraço*

VitorNani disse...

Olá Rosemildo!
Você deve sim, continuar com seu excelente blogue.
Além de estar bem organizado, ele tem assuntos importantes para o conhecimento.
Como já vai longe o tempo em que eu estudei a literatura portuguesa, inglesa e brasileira,(eu fiz o clássico naquela época), achei ótimo encontrar seu blogue com esse conteúdo.
Voltarei com mais tempo, para renovar meus conhecimentos!
Parabéns e boa semana!

VitorNani/Hang Gliding Paradise

Maria Teresa Valente disse...

Olá Furtado, amo passar por aqui e conhecer o que na escola não aprendi, seu blog é importante fonte de conhecimento, deve continuar, sim.
Obrigada, abraços carinhosos
Maria Teresa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...