quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Literatura Ocidental - Parte 58.


HISTÓRIA DA LITERATURA MUNDIAL
LITERATURA OCIDENTAL – PARTE 58
LITERATURA ALEMÃ
 
Reinhard Johannes Sorge, como dramaturgo expressionista, é excelente em suas tragédias de sentido religioso e como reintrodutor do coletivismo em seu teatro claramente lírico. Como importante lírico, Sorge escreveu “Gericht ueber Zarathustra”, “Mutter der Himmel” e Mustische Zwiesprache”.
 
Alfred Doeblin iniciou-se como colaborador da revista expressionista “Der Sturm” e, logo estreou com “Ermordung einer Butterblume”, ao qual seguiram: “Wadzecks Kampf mit der Dampfturbine”; “Berge, Meere und Giganten”; “Berlin Alexanderplatz”, sua obra-prima; “Der Oberst und der Dichter”; “Hamlet oder die Lange Nacht”. São impressionantes suas descrições da miséria do proletariado das grandes metrópoles industriais e o sentido que possui Doeblin da atualidade. Como crítico e ensaísta é o consagrado autor de “Minotaurus – Dichtung unter den Hufen von Staat und Industrie”.
Bert(old) Brecht é o dramaturgo e poeta que estigmatiza a sociedade burguesa e da constante interrogação perante o bem e o mal, que sabe intimamente dependentes da estruturação social. Na produção teatral deste expressionista dotado de básico sentido social revolucionário encontra-se “Dreigroschenoper”, “Mutter Courage”, “Das Verhoer des Lukullus”, “Der gute Mensch von Sezuan”, “Galileo Galilei”, “Der Kaukasische Kreidekreis” e Herr Puntila und sein Knecht”. O poeta Brecht iniciou-se como expressionista típico pelo ceticismo e romantismo invertido cuja visão amarga e anárquica ampliava-se até atingir o culto do “feio”; ao aderir à filosofia de construção do socialismo através do trabalho e da cooperação entre os homens encontrou sua própria maneira estilística, caracterizada por perfeita concisão clássica. Seu estilo foi organizado pela elaboração pessoal que o poeta retirou de seus conhecimentos da balada tradicional alemã, do lirismo sugestivo da poesia chinesa, da claridade da dramaturgia grega e da riqueza bíblica.
 
Como atuais dramaturgos citemos Friedrich Duerrenmatt (1921) e Max Frisc (1911): o primeiro, autor de “Die des Herrn Mississipi” e de “Der Besuch der alten Dame”; o segundo, é dramaturgo, com “Als der Kreig zu Ende war” “Nun singen sie wieder”, “Die chinesische Mauer”, “Don Juan” e “ Graf Oederland” e romancista (Stiller). Na temática de Duerrenmatt é constante a preocupação quanto a justiça e quanto ao absurdo existente no mundo. Frisch é o supremo mestre atual da inserção da ironia e da utilização do paradoxo; suas peças são oportunidades que constrói para sua imensa capacidade de fantasia. Duerrenmatt pode ser classificado como pertencente ao “neue Sachlichkeit”; seu estilo destaca-se pela sobriedade e clareza. 
 
Fonte: “Os Forjadores do Mundo Moderno”, Editora Fulgor, edição 1968, volume 7, páginas 105/106.

Visite também:

2 comentários:

Malu Silva disse...

Excelente espaço!
Um abraço e grata pela visita!

Silenciosamente ouvindo... disse...

Sempre um gosto estar neste seu
espaço. Aqui venho aprender,
mais do que comentar.
Obrigada pelo que me ensina.
Bj.
Irene Alves

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...